executif-18

Por que 99,9999% das ideias de novos negócios viram pó?

Por que grande parte das ideias de novos negócios simplesmente “viram pó”? Quão grande é a diferença entre ideias de novos negócios e negócios que, pelo menos, são iniciados? Vamos discutir mais sobre nesse conteúdo.

Empreender não é tão “simples” quanto parece

executif-10

O empreendedorismo, normalmente, é retratado como algo dinâmico e estimulante. Sempre realizado por pessoas igualmente dinâmicas e estimulantes.

Mas nem sempre é assim. Principalmente quando estamos nas fases iniciais do nosso empreendimento.

O empreendedorismo é uma palavra vinculada a ação, mas a intenção de empreender muitas vezes gera inação.

Neste post falarei sobre a principal causa daquilo que chamo de inação empreendedora, por quê ela é absolutamente irrelevante e o que fazer para deixa-la para trás de uma vez por todas.

Se você ler até o final, vou te contar o que, na verdade, deveria ser a primeira coisa que você deveria estar se preocupando.

Os medos em comum dos empreendedores

A grande maioria dos empreendedores com quem tenho contato têm uma coisa em comum – o medo.

Eles têm medo de não dar certo;

Medo de darem um passo maior do que as pernas;

Medo de não possuírem experiência em gestão suficiente para administrar uma empresa;

Medo da enorme quantidade de coisas que precisam ser feitas para se abrir uma empresa;

Medo, medo, medo…

Veja, o medo é um mecanismo de autodefesa normal e na maioria das vezes até saudável. Ele te acompanhará durante toda sua empreitada, a não ser que você não seja humano.

Mas o problema é que na fase de planejamento este medo é completamente irrelevante e não te ajuda em nada.

Digo isto por que na fase de planejamento você não possui risco algum, não colocou dinheiro nenhum, não contratou ninguém e não se expôs ao fracasso.

Deixe para ter medo na hora de realmente colocar as engrenagens para funcionar.

Antes disto, foque somente em dimensionar o risco ao qual você estará exposto e analisar se vale a pena correr este risco.

Dimensione o risco antes de qualquer coisa

Se ao final deste exercício você concluir que não vale a pena correr o risco, pronto, você tomou uma decisão bem informada de não seguir em frente com seu empreendimento.

O medo neste caso foi fundamentado em informações e te ajudou a evitar de fazer algo que você não se sente totalmente preparado para fazer.

A outra alternativa é que você sinta que o risco vale sim a pena ser tomado por conta do possível retorno a ser capturado.

Se este for o caso, ótimo! Você compreende exatamente o que precisa ser feito e o que você tem a perder.

O medo estará sempre presente, mas antes de senti-lo, primeiramente dimensione o risco. Coloque sua ideia no papel.

Então, eu te pergunto: você tem razão para ter medo neste momento?

Exercício para você analisar

Faça as seguintes perguntas a si mesmo:

  • Eu tenho claro qual produto ou serviço irei oferecer para qual segmento de mercado?
  • Eu sei estimar com um certo grau de confiança o tamanho do meu mercado?
  • Eu saberia dizer o potencial de receita mensal do meu negócio baseado no preço do meu produto e na quantidade de clientes que pretendo e posso capturar?
  • Eu sei dizer quantos funcionários eu precisaria na minha operação e quanto isto irá custar?
  • Eu tenho uma boa noção de todos os outros custos envolvidos na operação do meu negócio?

Se você respondeu não para a maioria destas perguntas, você não sabe o suficiente sobre o seu negócio e portando não tem porque temê-lo. Você está temendo o abstrato e o intangível.

Está simplesmente temendo o prospecto de agir e isto é a causa da inação empreendedora.

Se continuar assim, nunca sairá do lugar.

O que fazer para definir o negócio?

Vá por partes. Foque na 1ª pergunta, defina a sua oferta, sua proposta de valor e quem é seu cliente. As perguntas seguintes surgirão naturalmente.

Você estará dando o primeiro passo para finalmente abrir seu negócio.

Comments are closed.